Plano ASBAF: Com você em todos os ciclos da vida!

Atendimento : Seg a Sex. 08:30 - 18:00 | Sab. 08:30 - 12:00
  Tel : 54 3232.0000

Terapia Ocupacional: Você sabe o que é?

Terapia Ocupacional é uma área do conhecimento, voltada à prevenção e ao tratamento de indivíduos portadores de alterações cognitivas, afetivas, perceptivas e psicomotoras, decorrentes ou não de distúrbios genéticos, traumáticos e/ou de doenças adquiridas, através da sistematização e utilização da atividade humana como base de desenvolvimento de projetos terapêuticos específicos.

Para entendermos mais sobre este assunto, conversamos com a Terapeuta Ocupacional, Mariele Zulian Boff, profissional conveniada ao Plano Asbaf que nos explica que a profissão tem como objetivos trabalhar para desenvolver, recuperar ou manter as habilidades sensoriais, motoras, perceptivas, cognitivas e sociais que as pessoas com necessidades específicas precisam para ter maior desempenho ocupacional nas atividades do dia a dia.

A Terapia Ocupacional atua em todos os ciclos de vida: recém-nascidos, crianças, adolescentes, adultos e idosos. Auxilia na integração das pessoas aos diferentes cenários sociais, conforme suas demandas, necessidades ou interesses, visando melhorar a autorrealização, o bem-estar e a qualidade de vida.

Sabemos que pais e mães vivem cercados de dúvidas, mas geralmente durante o desenvolvimento na primeira infância a criança já demonstra suas habilidades. Embora cada criança tenha o seu próprio ritmo, é inegável que qualquer sinal de atraso pode implicar em uma preocupação para os adultos.

A Terapeuta Ocupacional, explica que é importante o papel da família em ficar atentos aos sinais das crianças, por exemplo, quando a criança demonstrar dificuldades  enquanto brinca, quando tentar engatinhar ou então na fase escolar é muito importante ver se ela não consegue escrever, manusear um lápis ou acompanhar os outros colegas, entre outros sinais, a ajuda de um profissional especializado deve ser solicitada.

Vale ressaltar o quanto é importante que os casos de um suposto atraso cognitivo ou psicomotor sejam levados ao conhecimento do terapeuta ocupacional. Se for algo mais grave, o próprio profissional encaminhará ao especialista que pode solucionar o problema.